domingo, 10 de junho de 2007

O Discurso de Pitágoras


Ceres, Museu de Corinto, Atenas

Traduzi um trecho do livro XV das Metamorfoses, de Ovídio. Faz parte daquele loooongo & insensato projeto pessoal que inventei, o de traduzir o poema inteiro para o português, em verso, e que publicarei completo quando tiver uns 75 anos.

Na Officina Perniciosa, da revista virtual Germina Literatura (leitora & leitor curiosos, dêem uma espiada no link à direita em "Let us go and make our visit" e consultem o arquivo da Officina) se encontram "Baco e os Piratas Tirrenos", "A Morte de Actaeon" e o "Narciso". Junta-se a eles agora o "Discurso de Pitágoras", que eu dedico ao Johannes Pandit:

(Ovídio, Metamorphoseon Libri, XV, vv. 75-95)

“Poupai-vos, mortais, de poluir com alimento nefando
os corpos que tendes: há frutas, pomas que o peso
inclina em seus ramos, túmidas uvas nas vinhas,
há ervas suaves, que ficam ainda melhores
levadas ao fogo; vos falta sequer o leite ou o mel,
perfumado da flor do tomilho:
pródiga, a terra fornece riquezas, delícias
e prepara banquetes sem sangue nem vítimas.
As feras saciam a fome com carne; nem todas, também:
é fato que bois e cavalos só vivem de grama;
mas àqueles de engenho bem bruto e selvagem,
tigres armênios, leões iracundos,
lobos e ursos também, agrada alimento sangrento.
Ah, crime tremendo esconder as tripas nas tripas,
e com corpo ingerido engordar outro ávido corpo,
e que esse animal mate um outro animal pra viver.
Acaso da opulência que a opima mãe Terra te oferta,
nada te agrada, senão mastigar com a crueldade dos dentes —
em que recordas Cyclope de modos horrendos—,
ou, sem predar outro, não vais aplacar
o mal-educado apetite em teu ventre voraz?”

3 comentários:

Andrea disse...

Oi Dirceu!

Lembrei do dia de Theano quando você leu essa tradução pela primeira vez!
- Dia 11 de Julho - falta um mês
Festival de Theano

joao disse...

Caríssimo, sem amigos vegetarianos eu nada seria. Valeu pela dedicatória!
Abraços
João

Anônimo disse...

villa, the great,
lindo! lindo!! lindo!!!
só aplausos à belíssima empretiada.
deste seu camarada
calixto